Documento sem título
 
 
 
     
Documento sem título
Índice Ultravioleta
 
AlmaNews
 
Notícia - Entenda a diferença entre alergia e intolerância a alimentos Entenda a diferença entre alergia e intolerância a alimentos

Elas têm causas diferentes, mas o mesmo impacto: impõem restrições, às vezes severas, ao cardápio de milhões de pessoas em todo o mundo. Alergia e intolerância alimentar são duas doenças distintas frequentemente confundidas.

A gastropediatra e nutróloga Elza Daniel de Mello, professora da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, desfaz a confusão: “Alergia tem relação com o sistema imunológico, e a intolerância é provocada pela ausência de enzima para digerir um alimento.”

Segundo ela, o leite de vaca é um dos alimentos mais associados às duas doenças, mas por componentes diferentes. No caso da alergia, o que a desencadeia é a proteína. Já a intolerância se dá em relação à lactose, o açúcar naturalmente presente no leite.

A especialista indica os sinais e sintomas a que as famílias devem estar atentas: “A alergia se manifesta mais frequentemente no primeiro ano de vida com sintomas dermatológicos, respiratórios, gastrointestinais, como diarreia e fezes com sangue, e desnutrição.

A intolerância à lactose provoca diarreia, aftas de repetição, flatulência (gases), dermatite no períneo e baixa estatura”, enumera a médica, afirmando que na maioria dos casos o acompanhamento pode ser feito pelo próprio pediatra da criança.

Já o pediatra Hélio Fernandes da Rocha, chefe do Serviço de Nutrologia Pediátrica do Instituto de Puericultura e Pediatria Martagão Gesteira, da UFRJ, diz que a criança ou adulto com intolerância ao açúcar do leite (lactose) pode ingerir leite na forma de iogurte ou usando uma adição da enzima que falta no seu intestino durante a alimentação com leite. “O leite é importantíssimo, em especial como fonte de cálcio para escolares e adolescentes. O uso adequado com esses cuidados deve ser incentivado e não restrito.”

Para o diagnóstico de alergia, nem sempre o teste de contato, aquele em que várias substâncias (alérgenos) são colocadas na pele para verificar se haverá reação, é eficaz: “O mais importante é o teste de provocação. Retira-se o leite de forma rigorosa por seis a oito semanas e, depois disso, ele é liberado. Se os sintomas voltarem, está confirmado o diagnóstico.” Nesses casos, a recomendação é buscar uma alternativa, como o leite de soja.

Mas a médica faz um alerta: “Não são indicados os leites de soja que contenham muito açúcar e pouca proteína. A orientação é usar fórmulas sem açúcar.” E o pediatra Hélio Rocha acrescenta: “Quando existe alergia à proteína do leite de vaca, a criança ou o adolescente não deve tomar leite, pois o risco é muito grande. Terá que ser reconduzido ao uso sob a orientação de um especialista.”

Recentemente, alçado à condição de vilão da alimentação contemporânea e associado a dietas restritivas para perda de peso, o glúten, proteína presente em cereais como trigo, centeio e aveia, não deve ser banido da alimentação infantil, segundo a professora, a não ser nos casos comprovados de doença celíaca. “É necessário que se tenha certeza do diagnóstico”, alerta a especialista.

O pediatra Hélio Rocha diz que o glúten é digerido pelo doente celíaco, mas causa uma reação inflamatória complexa compatível com uma alergia grave e crônica que expõe o paciente a várias complicações por diarreia e alterações funcionais, levando-o à desnutrição e à predisposição para morte.

“Ao ser incorretamente interpretado como causador de outras doenças, como obesidade, o glúten, que compõe uma parte fundamental na ração alimentar, como massas, pães, doces, biscoitos, e está presente como aditivo ou espessante de centenas de outras preparações, estaremos impondo uma restrição muito danosa. São hábitos milenares, pois o glúten estava no pão da Santa Ceia, de que estaremos abrindo mão com riscos a desabastecermos a população de importantíssimo alimento”.

Fonte: MSN Notícias

 
Documento sem título
 
Faça sua busca:
 
Almaderma

História
Nossos Princípios
Lojas
Espaço Café
 
Canais

Delivery
Convênios

Sustentabilidade

Descarte de Medicamento
 
Produtos

Cosmética e Beleza
Florais
Nutracêuticos
Nutrição
Nutricosmético
Saúde
 
Saúde

Índice Ultravioleta
Newsletter
 
Atendimento

Orçamento Online
SAC
Fale com o Farmacêutico
Fale com o Diretor
Trabalhe Conosco
 
A Almaderma apóia:
Alquimilla Farmácia de Manipulação Eireli EPP - CNPJ: 69.313.286/0001-61 - CVMS: 352590401-477-000062-1-1 - AFE: 0.21148.4 - AE: 1.33944.1 - Rua Jorge Zolner, 455 - CEP13201-039 - Jundiaí/SP - Telefone: (11)4583-2222 - Email: marketing@almaderma.com.br - Farm.Responsável: Heloisa Cristina Menegassi Aguiar Gomes - CRF-SP 50.330. Almaderma Farmácia de Manipulação Eireli EPP - CNPJ: 00.873.312/0001-00 - CVMS: 352590401-477-000069-1-2 - AFE: 7.39291.2 - AE: 1.3384436 - Rua Anchieta, 259 - CEP13201-804 - Jundiaí/SP - Farm.Responsável: Ana Paula Gonzalez Pires - CRF-SP 32.446. Nenhuma parte deste website pode ser reproduzido sem nossa permissão escrita. Qualquer dúvida sobre os produtos divulgados em nosso site, contate nosso atendimento ao cliente. Os medicamentos sob prescrição só serão dispensados mediante apresentação da receita ou envio pelo Site, Aplicativo, Fax, E-Mail ou Whatsapp. É proibido comercializar medicamentos controlados por meio remoto. Medicamentos podem causar efeitos indesejados. Evite a automedicação: informe-se com o farmacêutico. Copyright © 2012 - Produzido por FrameSet